segunda-feira, 28 de julho de 2008

Sobre ferrolhos

Dentre os muitos ensinamentos contidos nos Provérbios de Salomão, existe um que me chama a atenção por falar nos ferrolhos.

"O irmão ofendido é mais difícil de conquistar do que uma cidade forte; e as contendas são como ferrolhos dum palácio" (Pv 18.19).

Quando assisti o filme "O Senhor dos Anéis: As duas Torres", lembrei-me imediatamente do provérbio acima. As cidades, que também eram fortalezas, só eram tomadas à força. A energia e o grande número de guerreiros mobilizados nas incursões era algo absurdamente descomunal. Agora, imagine eu ou você tendo que empregar tamanha força para reconquistar um irmão ou um amigo ofendido...!?:;,.
Diz uma linda lenda árabe que dois amigos viajavam pelo deserto e em um determinado ponto da viagem discutiram. O outro, ofendido, sem nada à dizer, escreveu na areia: HOJE, MEU MELHOR AMIGO ME BATEU NO ROSTO. Seguiram e chegaram a um oásis onde resolveram banhar-se. O que havia sido esbofeteado começou a afogar-se sendo salvo pelo amigo. Ao recuperar-se pegou um estilete e escreveu numa pedra: HOJE, MEU MELHOR AMIGO SALVOU-ME A VIDA. Intrigado, o amigo perguntou: Por que depois que te bati, você escreveu na areia e agora escreveu na pedra? Sorrindo, o outro amigo respondeu: Quando um grande amigo nos ofende, deveremos escrever na areia onde o vento do esquecimento e do perdão se encarregam de apagar; porém quando nos faz algo grandioso, deveremos gravar na pedra da memória do coração, onde vento nenhum do mundo poderá apagar !!!!
É...
Essa lenda anotei na minha agenda alguns dias depois que um amigo me disse que eu era um peso na vida dele. Mas nem sempre os irmãos ofendidos estão dispostos a abrirem os ferrolhos de seus palácios. E o que fazer nesses trechos da estrada? Deixar-se levar pela lógica de que "a vida sempre foi um perde-ganha, quem não bate apanha; e isso é natural"? Ou fazer como aquele pai , que esperava o filho que se foi levando parte dos bens da família, e ao avistá-lo ainda quando estava longe, se moveu de íntima compaixão, correu ao seu encontro e o abraçou e o beijou?
Tenho procurado abrir os muitos ferrolhos do meu palácio. Confesso que não é uma coisa fácil de se fazer. É algo doloroso de imediato. Mas que ao abrir da porta torna-se libertador!
Abração a tod@s!

9 comentários:

ansof7 disse...

Genial!!!

Thais disse...

Compartilho com vc da mesma dificuldade. Hj ao invés de comentar sobre o texto, afirmo que vou tentar dar um final feliz conforme as histórias!!Parabéns pelo texto

D.Cosmo disse...

É dificil quando essas situaçoes surgem...
Mas o texto facilita a melhorar!

Show!!

divagando... disse...

Acho que fomos mesmos planejados, como cristãos, para abrirmos ferrolhos, contudo, a experiência me ensinou que tentarmos é uma coisa, agora, conseguirmos é outra. Meu desejo então é que as muitas tentativas frustradas que porventura tenhamos não nos faça desistir de nossa missão. Abração.
Ana Valéria.

Edilson de Holanda disse...

Grande Wendel!
Que bom seu blog cara!
Depois apareça para comentar.
O meu, faz meio mano que eu não atualizo. A rotina tá braba e sem net em casa.
Grande abraço!!!!

PIXEL disse...

complicado abrir esses ferrolhos mesmo,so o tempo pra pessoa se abilitar a abrir novamente,espero que p tempo faça vc tirar da agenda esse nome e colocar em algum lugar especial, o q esse amigo lhe falar.enorme abraço wendel.fica com deus

cer_brasil disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eduardo Brasil disse...

Chefe, padrinho, amigo.....você foi muito feliz ao escrever esse texto. Compartilho dessa dificuldade em abrir os ferrolhos e entendo ser essencial para uma vida saudável que estejamos dispostos a abrí-los.
Parabéns pelo seu blog!

Edilson de Holanda disse...

O blog já dá sinais de que é bom pela escolha do título. Uma música que fala e fala muito. Letra inspiradíssa. O autor então nem se fala. Trata-se um cara de quem sou fã. Dá-lhe mestre Wendel!