sábado, 19 de julho de 2008

Navegar é preciso...


"Navigare necesse; vivere non est necesse" - latim, frase de Pompeu, general romano, 106-48 aC., dita aos marinheiros, amedrontados, que recusavam viajar durante a guerra, cf. Plutarco, in Vida de Pompeu.

Virando de ponta-cabeça um dos trocadilhos mais representativos da era das navegações, temos uma grande lição!

Naver é preciso, aqui, não no sentido de exatidão, mas porque faz parte do âmago humano o desejo de desbravar o desconhecido!
É como disse Jonas Abib, Monsenhor.:

"Não dá mais pra voltar, o barco está em alto mar.
Não dá mais pra negar o mar é Deus e o barco sou eu
E o vento forte que me leva pra frente é o amor de Deus.
Não dá nem mais pra ver o porto que era seguro.
Eu sou impulsionado a desbravar o novo mundo".

Parafraseando os poetas, "muitas vezes nossos corações fingem fazer mil viagens. No entato, estão ancorados num porto qualquer, sendo arremeçados contra o cais".

"Navegar é preciso!"
Abração!

2 comentários:

divagando... disse...

Concordo, e nessa de navegar é preciso, no mar da fé o que se tem menos é precisão. Fica só a certeza que não se navega só. Abração, poeta.

Jackie Kauffman disse...

Sim Wendel, existe um grande oceano a nossa frente e quem sabe, terras a serem conquistadas. Se não as conquistarmos, pelo menos teremos o privilégio de termos feito a viagem e de termos conhecido outros lindos horizontes, que se continuarmos na terra, nunca nos deslumbraremos com tantas diferentes belezas.De qualquer forma valerá à pena. Navegar é preciso.