domingo, 31 de maio de 2009

O Hóspede

Já passava das 23:30h daquele dia. Aliás, mais um dia puxado e de muito trabalho. Estava exausto!
Meu corpo e mente só pediam a minha "baladeira".
Havia tocado impacientemente a campainha várias vezes, e nada de virem abrir o portão para que eu pudesse entrar em casa.
Quando, de repente, um sujeito com a aparência de um "sem teto", chega perto de mim e pergunta:
- Sua mãe está aí?
E eu já irritado pela demora, respondi sem dar muita atenção a aquele homem, que por sinal estava meio "mamaguaçado":
- Tô esperando que venha alguém abrir o portão.
- É que eu vou dormir aqui hoje, pois tenho que está bem cedo num lugar perto daqui. Justificou-se ainda meio sem graça.
- Agora só me faltava essa! Pensei comigo e ainda mais irritado pela demora porque ainda não abriram o portão. E aí emendei:
- Bora, mamãe, que ainda tem uma pessoa aqui querendo falar com a Senhora! Bradei puxando com força o ar, pois estava muito cançado.
- Que, menino? Há uma hora dessa? Tô indo... Ah! É o Chico fulano de tal (não me recordo do nome do sujeito)... Ele já tinha me pedido pra dormir aqui hoje - respondeu minha mãe jogando as chaves para que eu pudesse abrir o portão e entrar finalmente em casa.
Nesse instante, o meu sobrinho, Albertinho, que já estava dormindo, também veio até a varanda para ver o que estava acontecendo.
Abri o portão, deixei aquele homem entrar e subi como uma bala as escadas, sem dar muita atenção pra ele.
Minha mãe me entregou um cobertor. O Albertinho, o travesseiro com o qual estava dormindo. E eu... nada hospitaleiro, entreguei-lhe o cobertor e o travesseiro e ouvi:
- Pode deixar! Vou dormir aqui mesmo no chão.
Subi novamente as escadas, pois não queria perder nenhum minuto do meu precioso sono.
Depois fui dormir.
No outro dia, bem cedo, fui acordado com uma voz, dizendo:
- Abre aqui que eu preciso ir.
Fiquei ainda mais aborrecido, pois ainda não era a hora, como de costume, de me levantar. Meu pai abriu o portão pra que ele pudesse sair.
Foi aí que me dei conta da grosseria cometida. E com os dedos entrelaçados atrás da cabeça, disse:
- Puxa vida! Jesus esteve aqui em casa e eu deixei ele dormir no chão!

Que o Eterno nos ajude!
Abração a tod@s!

23 comentários:

anso rodrigues disse...

Vlw Wendel!
Acho q ele entendeu...
e vc tb!

Lucas Queiroz disse...

Bem-aventurados os sensíveis à perceber momentos como este ..

Erica Aragão disse...

Wendel, que legal esse texto.
Não vou mentir que no final deu uma vontade de rir, não que a situação
mereça, mas a forma como foi colocado o final parece infantil
(imaginei você como uma criança, pois só uma diria essas frases com
naturalidade).
Sabe, acho que falta na gente essa infantilidade, não boba, mas
simplesmente humana e espontânea.
Muitas vezes já tive essa sensação que você colocou no final do texto,
apesar de nunca ter passado por essa situação, mas existe outras
ocasiões em que deixamos a nossa vida, tão importante, nos segar.
O pior é que, não sei você, mas só percebemos o erro quando é tarde.
Creio que o Senhor nos perdoa, sempre.
Mas e nos como ficamos com nos mesmo quando isso acontece?
O que sentimos quando estamos diante das outras pessoas?
E diante do espelho?

Que a paz do Senhor esta conosco.

lemos_felipe disse...

muita percepção num Jesus despercebido...ótima reflexão.

PIXEL disse...

CARA....NAO É QUALQUER PESSOA QUE CONSEGUE DEDUZIR QUE ERA JESUS NA SUA CASA....SOMENTE OS MALAS...HEHEHE.....IMPORTANTE A REFLEXÃO QUE VOCE FEZ DE TODA A HISTORIA.....NESSE DIA JESUS ACORDOU TODOS DA SUA CASA, MESMO DORMINDO NO CHAO...COM CERTEZA FICOU FELIZ PELA HOSPITALIDADE....ABRAÇÃO WENDEL...FICA NA PAZ

Carlos Bezerra disse...

Muito legal Wendel! Nós e nosso desafio de buscar a sensibilidade de perceber Jesus no próximo. De amá-lo como a nós mesmos.

Gilcier disse...

MUITO BOM WENDEL!

Priscilla Viegas disse...

Oi amigo, belo ensinamento!
Abraços.
Visita: www.vocedebem.blogspot.com

Leny Brito disse...

Olá Wendel! Belo texto. E fico a imaginar: "quantas vezes não perdemos oportunidades de usufruir da presença dEle, simplesmente porque estamos apressados ou ocupados demais..."
Que possamos está atentos aos nossos hóspedes inesperados.
Abraços

Iago disse...

Kra..lembrei de uma peça que eu ensaiei em sobral..sobre uns mendigos que vinha pedir abrigo na casa de uma família com problemas financeiros...os mendigos eram chatos..e a família tantava ser o mais paciente possível. o marido não aguenta e pede pra eles sairem..eles reconhecem o erro e entram na casa pra pegar as coisas..vão embora..de repente os donos da casa encontram uma carta escrita a ouro "não esqueçam da hospitalidade, pois foi praticando-a que muitos tiveram anjos em suas casas sem nem mesmo perceber.."
os anjos agradeceram!

obrigado por nos lembrar!

bequinha disse...

É muito difícil msmo perceber Jesus no próximo... adorei o texto Wendel!

Eudes disse...

Bom,goataria de dizer que em poucas palavras você meu amigo consegui expressar a uma deficiencia que atinge a maioria de nós. E que toda essa história me lembrou o Carlinhos aliás os Carlinhos (meu cunhado e Carlos Queroz). São gente que nos surpreendem com seus modos de ver a vida e seus atores(as).

Vera disse...

Legal o texto, Wendel. Fico pensando,e nós? que lugar temos permitido que Jesus fique dentro de nós? O deixamos numa sala de visita até que tenhamos tempo p/ dar-lhe a atenção merecida, ou nos comportamos como este rapaz que vive num corre, corre e cansado perdendo oportunidades impar de momentos eternos.Ele merece sim, estar em lugar de destaque em nossas vidas, e pararmos tudo para ouvir o que Ele tem p/ nos ensinar.EU NÃO ME ENVERGONHO DO EVANGELHO DE CRISTO. Que Deus continue te usando p/ nos fazer meditar na verdade da vida.Deus te abençoe.Bjão meu querido irmão.

D.Cosmo disse...

pelo menos debaixo de um teto, enquanto para muitos ele estaria á chuva

vlw por compartilhar a experiencia Wendel!
grande abraço

Anônimo disse...

Adorei o texto!
continue nos presenteando com sua escrita.
bjos...
Claudinha

Juliano Pozati disse...

Cara, maravilhoso esse texto!
Valeu pela particpação no DuasAsas.com!

Quando li seu texto, lembrei de uma das principais inspirações que nos levaram a começar a blogar: "O Vento sopra onde quer" e não há... não pode haver, nesta terra, intenção de bem, que não seja inspiração de Espírito de Deus.. E ainda sim, Ele que move todas as coisas para o bem, atraindo-as para si, nos visita em figuras tão peculiares...

Lindo texto mesmo!!!

daniel pajeh disse...

é cara... antes tarde do que mais tarde né...
importante nessa história toda foi sensibilidade de reconhecer...
é uma boa reflexão!
abraços
paz de JAH!

paulo de tarso Ar. disse...

e ai wendel.... excelente texto.....
gostei demais.... tranquilidade... ai ....
em julho devo estar por ai..... rrsr. abração

Facundo disse...

ei mah... fica grilado não... Ele já tá acostumado!

:-P

Allison Ambrosio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carlos disse...

Cara, esse texto é sensacional, inclusive deveria ser a "página inicial" de muita gente, inclusive a minha..hehe, muito bom para refletir!

Fique na paz de Jah, grande Wendel!

Anônimo disse...

acho q deveriamos repensar o q entendemos pela palavra 'biblia'.

particularmente imagino q alguem começou a escreve-la em algum lugar, em alguma epoca, e desde entao nunca parou de ser escrita... sempre com rituais, culturas, mitos, vivencias e interpretacoes diversas. Das batalhas de espadas do mundo antigo, aos scraps e afins da era digital, vemos a revelacao prosseguindo "ad infinitum".

E hj, como podemos perceber, I Wendel Capitulo 3... rsrsrs
Espero q entenda(m) minha intenção, embora eu n seja taum bom em me expressar.

Mto bom texto, mano! Abraço!
Delson